Limites para a renegociação de contratos pela Petrobras – Leal Cotrim Jansen Advogados

Leal Cotrim Jansen Advogados

Notícias

Limites para a renegociação de contratos pela Petrobras

 

 

 

 

A Petrobras iniciou a convocação de seus principais fornecedores para renegociar contratos vigentes, tendo em vista a crise provocada pela pandemia de COVID-19 e a queda expressiva no preço do barril de petróleo.

Como noticiou o Valor Econômico (13.04.2020), a estatal informou que “está buscando, em conjunto com seus grandes fornecedores, negociar planos de resiliência para superarmos juntos esta nova crise. Dada a complexidade e diversidade dos contratos de bens e serviços, cada caso está sendo tratado individualmente privilegiando sempre a busca de uma solução negociada”.

Diante desse quadro, é oportuno lembrar que essas negociações encontram alguns limites legais claros:

  • Necessidade de acordo entre as partes

Diferentemente de outras entidades públicas, a Petrobras não tem o poder de impor alterações unilaterais nos contratos, sendo imprescindível o acordo entre as partes.

Não se aplica à Petrobras, portanto, o art. 65, I, da Lei de Licitações (que trata da prerrogativa de alteração unilateral dos contratos administrativos), mas, sim, o art. 81 da Lei 13.303/2015 (Lei das Estatais), segundo o qual as alterações contratuais somente podem ser feitas por acordo entre as partes.

  • Dever de preservação do equilíbrio econômico-financeiro

Outro limite importante é o do equilíbrio econômico-financeiro do contrato. O conjunto de encargos e retribuições esperados no contrato deve ser mantido. Assim, por exemplo, em caso de redução do escopo contratual, o reflexo no preço não será, necessariamente, diretamente proporcional à diminuição.

As características da prestação e eventual economia/perda de escala deverão ser necessariamente levadas em consideração. Deve-se estudar cuidadosamente a matriz de riscos do contrato e como a alteração interfere no sinalagma original.

Ademais, a Lei das Estatais prevê expressamente que se o contratado já houver adquirido os materiais e posto no local dos trabalhos, estes deverão ser pagos pelos custos de aquisição comprovados, cabendo, ainda, indenização por outros danos decorrentes de eventual supressão de escopo.

Se a Petrobras falhar em preservar o equilíbrio econômico-financeiro, é recomendável que o contratado formalização a circunstância por cartas, para possibilitar futuros pleitos e, em casos mais graves, recorrer imediatamente ao Poder Judiciário.

  • Pleitos pelo contratado

O contratado também poderá tomar a iniciativa para a renegociação dos contratos ou para realizar pleitos de modo a recompor o equilíbrio econômico-financeiro contratual, se a prestação tiver se tornado demasiadamente onerosa em função da pandemia de COVID-19.

Também em tal hipótese, o contratado deverá formalizar suas pretensões por cartas, atas de reunião ou, em situações mais urgentes, recorrer diretamente ao Poder Judiciário.

É relevante, a propósito, ressaltar que se encontra em trâmite no Congresso Nacional Projeto de Lei tratando do Regime Jurídico Emergencial e Transitório das relações jurídicas de Direito Privado no período da pandemia de COVID-19.

Entre outras disposições, o projeto prevê que (i) as consequências decorrentes da pandemia na execução dos contratos não poderão ter efeitos retroativos; e (ii) inflação, variação cambial, desvalorização ou substituição do padrão monetário não são considerados fatos imprevisíveis, exceto nas relações de consumo e locação.

  • Boas práticas de administração contratual

Nesse cenário extraordinário, boas práticas de administração contratual assumem ainda maior relevância. Recomenda-se que sejam formalmente comunicados à Petrobras e documentados todos os impactos negativos causados às atividades dos contratados em razão de solicitações e/ou determinações da Petrobras e da pandemia de COVID-19.

Além disso, os contratados devem adotar as medidas possíveis para mitigar os prejuízos decorrentes desses impactos negativos, por imposição do princípio da boa-fé objetiva.

Recomenda-se que essas medidas também sejam comunicadas à Petrobras e documentadas em detalhes.

Política de Privacidade

O Leal Cotrim Jansen Advogados (“Leal Cotrim”) tem um compromisso firme com a privacidade de seus colaboradores, clientes e todos os indivíduos cujos dados pessoais nós coletamos, armazenamos, ou de qualquer outra forma tratamos. São dados pessoais todas as informações relacionadas a uma pessoa natural identificada ou identificável.

Esta Política de Privacidade guia o tratamento de dados pessoais pelo Leal Cotrim e trata dos direitos dos indivíduos que têm seus dados pessoais tratados por nós e/ou em nosso nome. Solicitamos que a leia com atenção antes de nos fornecer qualquer dado pessoal e sempre que desejar saber sobre como utilizamos os seus dados pessoais.

1. Como tratamos seus dados pessoais

Toda operação realizada com seus dados pessoais pelo Leal Cotrim é feita em conformidade com a legislação aplicável, especialmente a Lei 13.709/2018 (“Lei Geral de Proteção de Dados”) e a Lei 8.906/1994 (“Estatuto da Advocacia”).

Somente tratamos os seus dados pessoais com fundamento em uma das seguintes bases legais:

(i) mediante o seu consentimento;
(ii) para o cumprimento de obrigação legal ou regulatória;
(iii) para a execução de contrato de serviços advocatícios ou de procedimentos preliminares relacionados a tais contratos;
(iv) para o exercício regular de direitos em processo judicial, administrativo ou arbitral; e
(v) para atender a interesses legítimos do Leal Cotrim que não coloquem em risco seus direitos e liberdades fundamentais que exijam a proteção dos dados pessoais.

A navegação em nosso site é anônima. No que diz respeito ao uso de nosso site, apenas coletamos os dados pessoais que você mesmo fornece ao utilizar a ferramenta de contato disponibilizada no site, mediante o seu expresso consentimento.

Em respeito à sua privacidade, se você encaminhar seus dados pessoais ao Leal Cotrim para se candidatar a uma de nossas vagas, eles serão eliminados de forma segura imediatamente após o término da seleção.

Em qualquer caso, o Leal Cotrim somente trata os seus dados pessoais que são necessários à consecução da finalidade que legitima o tratamento, e pelo tempo necessário para tanto.

3. Como protegemos seus dados pessoais

O Leal Cotrim adota medidas técnicas e administrativas para proteger seus dados pessoais de acessos não autorizados e de situações acidentais ou ilícitas de destruição, perda, alteração, comunicação ou difusão. Não obstante, qualquer incidente de segurança envolvendo seus dados pessoais que possa causar-lhe risco ou dano relevante será comunicado a você e à Autoridade Nacional de Proteção de Dados – ANPD em prazo razoável.

3. Seus direitos como titular de dados pessoais

Como titular de dados pessoais, ressalvada as hipóteses do art. 7º, II, da Lei 8.906/94 e 7º, VI, da Lei 13.709/2018, você tem o direito de requerer ao Leal Cotrim:

(i) a confirmação da existência de tratamento de seus dados pessoais;
(ii) o acesso aos seus dados;
(iii) a correção de seus dados incompletos, inexatos ou desatualizados;
(iv) a anonimização, bloqueio ou eliminação de seus dados que sejam desnecessários, excessivos, ou tratados em desconformidade com o disposto na legislação aplicável;
(v) a portabilidade dos seus dados a outro prestador de serviços, de acordo com a regulamentação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados – ANPD, observados os segredos comercial e industrial;
(vi) a eliminação dos seus dados pessoais, exceto nas hipóteses previstas na legislação aplicável;
(vii) a informação das entidades públicas e privadas com as quais compartilhamos seus dados pessoais;
(viii) a informação sobre a possibilidade de não fornecer seu consentimento para o tratamento de dados pessoais e sobre as consequências da negativa;
(ix) a revogação do seu consentimento, resguardado o interesse público que possa justificar a continuidade do tratamento ou a existência de outra base legal que autorize; e
(x) a oposição a qualquer tratamento de dados pessoais com fundamento em uma das hipóteses em que o consentimento é dispensado, desde que tenha ocorrido o descumprimento da legislação aplicável e resguardado o interesse público que possa justificar a continuidade do tratamento.

4. Como você pode exercer seus direitos

A qualquer momento, você pode exercer seus direitos como titular de dados mediante envio de requerimento para o e-mail encarregado@lealcotrim.com.br. Após a confirmação da sua identidade, seu requerimento será respondido no prazo legal ou, na falta deste, em prazo razoável.

Se você recebe nossas newsletters institucionais e não mais as deseja receber, pode assim requerer também por meio do link disponibilizado para tanto em todas as newsletters que enviamos.

5. Alteração da política de privacidade

Esta Política de Privacidade foi elaborada de acordo com a legislação vigente e pode ser alterada para melhor se adequar à legislação aplicável, incluindo normas infralegais. Eventuais alterações a esta Política de Privacidade produzirão efeitos a partir da data indicada abaixo.

01 de dezembro de 2020